Sensores de medição são a alma dos equipamentos. Do mais simples ao mais complexo e preciso, os sensores são os dispositivos responsáveis por conduzir o processo. Já parou para pensar nisso? Sem eles, nada funciona, por isso, a calibração de sensores é tão fundamental.

Na indústria farmacêutica não poderia ser diferente. Temperaturas, pressões, umidade, concentração de gases, posicionamento, presenciais, luminosidade, fluxo de ar, entre milhares de outras grandezas são lidas e avaliadas a cada fração de segundo, constante e ininterruptamente. São estes sensores que garantem a qualidade do produto produzido. 

Precisão e Exatidão

O fator fundamental para a garantir a segurança e qualidade daquilo que se produz é a precisão e a exatidão dos sensores instalados nos equipamentos utilizados naquele processo. Em um segundo momento, esta mesma exatidão deve fazer-se presente nos processos de avaliação da qualidade. 

Por definição, exatidão é a proximidade de uma medida específica ao valor padrão (valor de referência). A precisão por sua vez, indica quanto às medidas tomadas de forma repetida estão próximas umas das outras. 

Desvios

É absolutamente normal que estes sensores (ou instrumentos de medição) com o tempo apresentem desvios e isso os leve consequentemente a produzir resultados de leitura com erro, trazendo perigo ao processo. 

Calibração

O processo de verificar se um determinado sensor está se comportando adequadamente é chamado de calibração. Calibração é um procedimento experimental no qual se estabelece uma série de operações com o objetivo de comparar a leitura obtida pelo sensor do equipamento com a leitura obtida de um outro sensor de um instrumento padrão que possui uma precisão e exatidão maior do que o sensor alvo. 

O Perigo da calibração de sensores!

É justamente nestes 4 termos que “mora o perigo”. Sensores defeituosos informando medidas incorretas, ou serviços mal executados, que levem a leituras erradas, são um dos grandes vilões do processo. E como fazer para minimizar riscos?

Cuidados a serem tomados na calibração de sensores

Como pudemos notar, o processo de calibração de sensores é uma fase extremamente crítica e deve somente ser realizada com extrema dedicação e conhecimento. Uma calibração e/ou ajuste feito de forma incorreta certamente colocará seu processo em risco, portanto seguem algumas considerações que julgamos importantes neste processo:

  • Antes de iniciar qualquer trabalho, estude detalhadamente os procedimentos do fabricante do sensor ou da máquina para a calibração (SOP’s e afins);
  • Verifique quais os pontos de calibração de cada sensor, assim como os pontos de processo, de acordo com as instruções do fabricante do sensor, da máquina e conversando com o responsável pelo processo no qual o equipamento está inserido;
  • Estabeleça critérios de aceitação para as calibrações baseados nas informações do fabricante da máquina, considerando as tolerâncias de processo e criticidade do sensor;
  • Estabeleça os períodos de calibração também baseados nas informações do fabricante da máquina, considerando as tolerâncias de processo, criticidade do sensor e normas vigentes;
  • Questione os fornecedores de calibração sobre a compatibilidade dos métodos de calibração em relação ao estabelecido pelo fabricante da máquina, de modo a evitar danos ou perda de vida útil por conta de processos inadequados durante a calibração;
  • Sensores de reposição preferencialmente devem ser estocados em suas embalagens originais e em caso da indisponibilidade desta, que seja da forma mais adequada para se evitar danos, impactos ou exposição a agentes que possam danificar o sensor;
  • Verifique junto ao fornecedor do serviço de calibração a condição de uso dos instrumentos padrões, se estes estiverem danificados ou apresentarem condições inadequadas, é provável que a sua leitura possa estar já comprometida;
  • Verifique junto ao fornecedor do serviço de calibração se a precisão e estabilidade dos padrões e equipamentos padrão utilizados na calibração atendem às especificações dos sensores, assim como a faixa de calibração;
  • Solicite a apresentação dos certificados de calibração e ajustes dos instrumentos padrões antes de permitir o início dos serviços;
  • Fique atento para a idade dos sensores instalados em seu equipamento (ou processo). Sensores tem vida útil e isto deve ser observado (por mais que esteja lendo dentro dos padrões);
  • Exija que o prestador informe qualquer anormalidade de leitura antes de realizar o ajuste do sensor. Esta informação deve estar contida em um documento apropriado que mostre a leitura encontrada e qual o desvio apresentado;
  • Avalie quais foram os desvios das últimas calibrações realizadas e considere a substituição do sensor ou a diminuição do tempo entre calibrações se os valores apresentarem anormalidade ou aumento de desvio entre serviços;

Com uma rotina de calibração atenta e cuidadosa, é possível identificar por quanto tempo os sensores mantêm os padrões adequados, e se estão em conformidade com as tolerâncias exigidas em cada processo. Com isso é possível definir a frequência ideal de manutenção preventiva e calibração para cada instrumento.

Se você quiser saber mais sobre calibração de sensores, venha conversar conosco.